Arquivo mensal: maio 2010

A labuta do aprendizado e do dever de casa

Padrão

Eu não sei se já comentei por aqui, mas de toda forma repito: fazer o tal dever de casa todo santo dia com a criançada é cansatiiiivooooo, muito mesmo. Só quem passa por esse calvário sabe do que estou falando!!

As crianças tem muita preguiça; Afinal, existem coisas muito mais gostosas e divertidas a se fazer (como por exemplo, ver tv, jogar jogo no computador, brincar) e é uma luta convencê-los de que o dever de casa não é algo a se fazer quando se tem vontade, mas uma obrigação diária. Então, invariavelmente há choramingos, reclamações, pedidos de “espera mais um pouco”, etc. Aí vc veste a cara (sim, porque no fundo a gente tbém não está com a mínima vontade de se sentar e ficar, por mais de uma hora, corrigindo, mandando apagar, explicando, reexplicando, se irritando, procurando figuras em revistas, enfim, fazendo toda uma lista de chatices) e segue em frente.

A Giovanna até na hora das atividades tem aquele “jeitinho” de sempre: quer que estejamos literalmente grudados nela, de preferência olhando pra sua cara. Já o Gustavo é mais independente nesse ponto. Eu falo o que ele tem de fazer e saio de perto; Aí quando volto já está terminado, e às vezes até ele já está no meio do próximo, se guiando pelo exemplo, visto que não sabe ler.

Sinto que a Gi,  apesar de ainda ser super dispersa, ainda se distrair demais, pedir explicações pra tudo e dizer sempre que não entendeu o que se pede, já está bem melhor na matemática, que era a matéria onde ela estava pior (pra se ter uma idéia, ela não conseguia de forma alguma assimilar a ordenação dos números, que é o supra sumo do básico) ; Já está fazendo continhas de adição e subtração no QVL, apesar de eu notar que ela ainda faz no “automático”, sem exata noção do significado daquilo; Mas aos poucos creio que a ficha vai caindo, e talvez num futuro próximo  ela consiga não precisar tanto do apoio de um adulto pras tarefas diárias. 

Já o Gustavo está literalmente no b-a-bá, e aos poucos começando a entender o que significa a silabação. Ainda um bocado devagar, se esquecendo o nome de muitas letras, escrevendo muitas de forma espelhada e tals, mas acredito que até o final do ano ele já esteja com uma noção bem boa. Já na matemática ele se sai super bem, e chega a dar as respostas pela Giovanna na hora em que estamos estudando! Incrível mesmo como cada pessoa possui um tipo de inteligência.